Esposinha Loira Com Amigo Negro Dotado E Corno O Assistindo

5 min

Categoria:

Tag: ,

visualizações

5 min

Categoria:

Tag: ,

Esposinha Loira Com Amigo Negro Dotado E Corno O Assistindo

Esposinha Loira Com Amigo Negro Dotado E Corno O Assistindo

"Olá, me chamo Haline, tenho 30 anos, 1,70 de altura, loira, olhos claros, seios médios, pernas grossas, é uma buceta muito grande, descomunal mesmo, quase não uso biquíni por isso, mas segundo meu marido é um de meus melhores atributos. Ela tem um amigo chamado Tiago que conheceu em um curso que ela fez uns anos atrás, tem dias que os dois ficam conversando até altas horas, eles foram ficando íntimos e trocavam fotos picantes, um dia quando estávamos transando ela me confessou que estava louca pra fuder com ele, que queria muito dar pra ele, e que como eu era seu corninho eu também queria. Duas coisas que eu gostei muito nesse classificado especifico era que o corno não queria participar nem ficar no quarto, ele disse que gostava de ficar no outro comodo espiando pelo vão da porta, como se estivesse chegando em casa e pegando a mulher no flagra.

Continuei no papo e disse que um pau daquele não faria cócegas nem em mim que sou baixa e tenho a""Moro em uma cidade bem pequena coisa de três mil habitantes, aqui quase não tem emprego ai fui trabalhar com meu tio numa cidade maior a uns 30 km da minha cidade, trabalhei com meu tio uns dois meses até ele terminar a casa que estava fazendo me deu o dinheiro combinado e eu comprei uma moto bem barata, pois estava com a documentação atrasada, mas nem liguei eu num tenho carteira mesmo, então a Dona Nair a dona do restaurante onde nos pegávamos comida, quando estávamos fazendo a casa, me ofereceu um emprego de entregador para o restaurante, teria de entregar Marmitex, bom aceitei dava um bom lucro e ainda me deixaria dormir num puxado no fundo do restaurante, trabalhava nesse restaurante ela seu marido o Sr Rodolfo, seu filho Carlos e a sua nora, a mulher de Carlos, Cintia, essa sim valia a pena eu não tinha visto uma mulher tão linda olhos verdes cabelos negros não muito longos, uma cintura fina um quadril grande e uma bunda arrebitada uns seios grandes e duros que ficavam saído para cima do decote, nossa eu babava de ver aquela gata, mas já tinha dono melhor não se meter com isso, eu pensava assim mas ela não, toda vês que eu ia pegar as marmitas ela me provocava, passando a língua na boca me encarando, teve vês que ela até esfregou a bucetinha me olhando, eu já ficava de pau duro e tinha de correr para o banheiro descarregar, ela sabia disso pois quando eu voltava ela me olhava e sorria, isso foi dias após dias um dia eu estava La esperando sair a comida e como sempre ajudando na cozinha o Carlos marido da Cintia não havia vindo naquele dia disseram que ele fora com o pai na capital e só voltaria no outro dia, ficou só eu a dona Nair a cozinheira e duas garçonetes que ficavam só no salão arrumando e servindo os fregueses, e claro Cintia que estava hoje mais provocativa do que nunca, chegou até a passar a mão na minha bunda, eu já não estava aguentando mais aquelas provocações, quando ela foi no deposito pegar umas caixas de copos eu fui atrás assim que ela entrou e se abaixou para pegar a caixa eu a peguei por trás, a abracei forte segurando com força, e levei a mão em seus seios a outra desci no vão de suas pernas, sua buceta estava molhada, ela tentou se livra, vi que ela iria gritar e tapei sua boca com uma das mãos, com a outra ergui sua saia e só afastei a calcina para o lado, empurrei o corpo dela para frente que se apoiou numa pilha de caixa, ficando com a bunda empinada, ela meio que se debatia, mas não dei mole, sem cuspe nem nada enfiei meu cacete dentro de sua buceta, nossa senti que ia rasgar meu pinto, pois entrou com pentelhos e tudo, dei duas estocadas ela gemeu de dor, tirei a mão de sua boca, e comecei a estocar num vai e vem com estocada fortes meu cassete estava doendo, mas logo sua buceta fico macia e molhada, com movimentos de entra e sai frenético eu massageava seus seios, ela gemia baixinho, então senti que estaria gozando, e sem perder tempo enfiei o pinto o Maximo que pude dentro dela, e enchi sua buceta de porra, ela gemeu alto, fiquei com medo de alguém ter escutado, retirei o pinto rapidamente e me afastei dela, foi o tempo de dona Nair entrar no deposito, e nos paga com caixas de copos na mão já saindo, Cintia virou para mim e disse, muito obrigado eu respondi de nada, e saímos, Dona Nair ficou olhando e pareceu não ter desconfiado de nada. Afastei-o para o lado e enfiei minha rola naquela buceta melada, ela gritava desesperada, por mais que eu pedisse silêncio para não acordar as crianças, ela não conseguia se controlar, foi quando num puxão ela aproximou o cachorro de si e enfiou a rola dela na boca, cheguei a ficar com inveja, tamanho a volúpia com que ela chupava aquele cacete, o cachorro era pequeno, mas bem dotado, de repente, jatos de porra pingavam da cabeça inchada do cacete do cachorro, não resisti e esporrei dentro daquela buceta sedenta e maravilhosa. LA ACABOU DE PASSAR O CREME NO PAU DELE E LEVOU A MÁO COM O CREME POR TR[AS MAS DEMONSTROU EST[A TENDO DIFICULDADE PARA LUBRIFICA-LO, MENTIRA QUERIA QUE ALGUEM SE OFERECESSE PARA ESTA TAREFA, QUAL NÁO FOI SUA SURPRESA QUANDO A GAROTA MAIS JOVEM DO GRUPO SE ADIANTANDO DISSE, DEIXE QUE FA;O ISTO PARA VOCE, QUER QUE PONHA EM VOLTA OU DIRETAMENTE DENTRO DO ANUS, POE DENTRO COM O BIQUINHO VOCE SABE E SORRIU PARA A GAROTA QUE MUITO DISINIBIDA DEU A VOLTA MELISSA SE CURVOU UM PAOUCO PARA FACILITAR SUA ACÁO E A GAROTA COLOCANDO O BICO DO TUDO NO LINDO ANUS DA GAROTA FEZ UM PEQUENA PRESSÁO E UMA PARTE DO GEL PENETROU SEU CANAL PARA LUBRIFICA-LO BEM E FACILITAR A PENETRA;ÁO, O GRINGO SENTADO COM A VARA EM RISTE ESPERA SEU PREMIO, MELISSA ENTÁO VEIO PAROU DE COSTAS PARA ELE E FOI ARRIANDO A GOSTOSA BUNDA EM DIRECÁO AQUE POSTE, ELE SEGUROU O PAU E PREPAROU-SE PARA INVADIR AQUELE CUZINHO GOSTOSO, QUANDO NOVAMENTE MELISSA PEDIU A GAROTA PARA COLOCAR O PAU DO CARA NO SEU CU, FAZ ESSE FAVOR, COLOCA PRA MIM, ELA SE ABAIXOU DE FRENTE PRA GALERA SEM LIGAR QUE FICAR COM AS PERNAS ABERTAS MOSTRANDO UM LINDO PAR DE COXAS E UMA BUCETA MORENA TAMBEM MUITO BONITA PEGOU O MASTRO DO CARA E OLHANDO BEM ACERTOU A CABE;A NA ENTRADA DAQUELE CUZINHO GOSTOSO, MELISSA COME;OU FAZER PRESSÁO PARA BAIXO FAZENDO COM QUE A CABECA DESLIZASSE SEM PROBLEMA PARA DENTRO DELA, MAIS UMA VEZ PEDIU PARA QUE A MORENA A AJUDASSE, A MES ERA EXPERIENTE COLOCOU AS MA[OS SOBRE SEUS OMBROS E COME;O A FORCAR A GAROTA QUE SENTIA R3ALMENTE UMA DOR FORTE O CARA ERA MUITO GROSSO, FEZ UMA CARETA E DEU UM URRO QUANDO A GAROTA INESPERADAMENTE FEZ COM QUE O PAU ENTRASSE TODO EM SEU CUZINHO, ESTA PARA SURPRESA DA GALERA SE ABAIXOU E COME;O A LAMBER A BUCETA DA LOIRA QUE AGOERA J[A PULAVA TIRANDO E COLOCANDO A VARA NO C[U COME;OU A GEMER ALTO E A PEDIR MAIS PICA, AI QUE LOUCURA GENTE E FALA EM INGLES PARA O GRINGO FUDER MAIS MAIS MAIS, NISTO A MORENA FALOU ALGO EM SEU OUVIDO E ELA FEZ UM SINAL PARA O CARA DAR UM TEMPINHO E BALANCOU A CABECA EM SINAL DE POSITIVO, CLARO A MORENA HAVIA PERGUNTADO SE NÁO DEIXARIA SEU MARIDO FUDE-LA NA BUCETA ENQUANTO TOMAVA NO CU, FEZ SINAL PARA O MARIDO QUE PERMANECIA ASSISTINDO SUA MULHER CHUPAR AQUELA GATA ENQUANTO ESTA ERA ENRABADA POR AQUELE ENORME GARANHÁO, SUA MULHER COCHIOU ALGO EM SEU OUVIDO, TIROU SEU PAU PARA FORA E PARA ALEGRIA DA MELISSA NÁO ERA NADA NORMAL, GRANDE GROSSO E MUIO TORTO, A GAROTA COLOCOU NA BOCA CHUPOU UM POUCO E MANDOU QUE ELE SE APROXIMASSE, COLOCOU OS P[ES DA MELISSA SOBRE OS JOELOHOS DO RINGO QUE A COMIA DE FORMA QUE SUA COXAS FICARAM BEM ABERTAS E A BUCETA NUMA POSICÁO O[TIMA PRA RECEBER SEU MARIDO, NAQUELA PSICÁO O PAU ENTRARIA AT[E O SACO, COM AMÁO GUIOU O PAU COM A MÁO ESQUERDA ABRIU OS L[ABIOS MOLHADOS DA RACHA SEDENTA POR PAU ENCAIXOU ALI A CABEBECA E DEU UM TAPINHA NA BUNDA DO MARIDO QUE SE ENTERROU DE UMA S[O VEZ NAQUELA BUCETA MACIA E GULOSA, MELISSA DE UM BERRO DE PRAZER E COMECOU SEU BAILADO NOVAMENTE, AGORA COM DOIS BELOS PAUS ENTERRADOS NELA, NO AFAN DE GOZAR NÁO NOTOU QUE O CARA QUE COMIA SUA BUCETA NÁO USAVA CAMISINHA, S[O QUANDO SENTIU O CALOR DO PAU E AQUELE ALGO MAIS GOSTOSO SE DEU CONTA ERA TARDE, OS DOIS PARECEIAM DOIS TOUROS BRAVOS CADA UM CAVANDO DE UM LADO MELISSA GRITAVA, REVIRAVA OS OLHOS, SEU CU J[A NÁO DOIA MAIS O PAU DESLIZAVA COM CERTA FACILIDADE, NÁO ERA A PRIMEIRA DUPLA PENETRCÁO DELA MAIS ESTA ESTAVA MUITO GOSTOSA, DE REPENTE OS DOIS HOMENS COMECARAM A DAR GEMIDOS ALTOS E COMECARAM A GOZAR AO MESMO TEMPO, MELISSA TAMBEM NÁO SE CONTEVE, E FEZ SINAL PRA MORENA PRA SEGURAR SUA BOCA POIS SABIA QUE IRIA GRITAR DE PRAZER, A MORENA SE APROXIMOU R[APIDO E ENTENDENDO O RECADO EM VEZ DA MÁO COLOU SEUS L[ABIS AO DELA NUM LONGO BEIJO O QUE TRANSFORMOU OS GRITOS DA GAROTO EM SUSPIROS ABAFADOS, MELISSA GOZOU COMO NUNCA HAVIA GOZADO, O CARA DE TR[AS HAVIA GOZADO COMO UM CAVALO E MELISSA SENTARA SOBRE SEU PAU DEIXANDO-O BEM FUNDO EM SEU CUZINHO, QUAN TONA FRENTE POR CAUSA DO L[APSO DA CAMISINHA O CARA A ENCHERA, ESTAVA UMA VERDEIRA LAGOA DE LEITE QUENTE, O MARIDO DA MORENA RETIROU O PAU AINDA DURO E MELISSA COM AR DE REPROVACAO FALOU PRA MORENA? E A CAMISINHA DEVERIA TER USADO.

Fui dar uma volta, e uma hora depois ela mandou outra mensagem dizendo que eles já haviam terminado e já estavam voltando, voltei e parei no mesmo local onde eu havia deixado ela, logo em seguida ela chegou, entrou no carro e me deu um beijo e falou pra irmos, saímos dali e fomos pra uma rua bem escura que fica perto do centro, ela reclinou o banco, subiu o vestido, sem falar absolutamente nada, começou a me beijar e colocou minha mão na buceta dela, a calcinha estava toda melada, olhamos pra ver se não passava ninguém pela rua, afastei a calcinha pro lado e dava pra sentir a porra dele escorrendo, me abaixei e comecei a chupar, chupei o que tinha ficado na calcinha, eu chupava e sentia o cheiro de sexo e da porra que continuava saindo, ela perguntava se eu estava gostando, eu dizia que sim, que estava uma delícia, e ela falava que adorava me ver chupando a bucetinha dela gozada, acho que de tudo que já fizemos, nada foi mais gostoso do que chupar a buceta dela toda esfolada e gozada, é uma delícia, ela voltou a me beijar e começou a me punhatar, me chamava de corninho manso, e falou que se eu queria uma esposinha puta eu havia conseguido, fomos pro banco de trás, ela sentou no meu colo, como ela havia acabado de trepar, estava com a buceta muito receptiva e macia, meu pau entrava muito gostoso, depois de um tempo eu gozei, então saímos dali.