Gozando na Boca da Amiga

visualizações

56 seg

Categoria:

Tag: , , , , , , , , ,

Gozando na Boca da Amiga

Gozando na Boca da Amiga

Meu irmão socou o pau na minha boceta e empurrou até o fundo, aquilo ia e voltava sem parar, eu delirava, gemia e rebolava meu irmão já estava quase gozando, quando eu pedi pra ele não gozar dentro da minha boceta, então ele tirou da boceta e socou no meu cuzinho, com muito carinho ele foi empurrando até entrar inteirinho, depois ele ficou bom bando, bom bando, segurando e acariciando os meus seios, me chamando de gostosa, beijando a minha boca e sugando a minha língua, como um louco descontrolado, de repente ele deu duas socadas bem rápidas e bem fundas ai eu senti a sua porra quentinha escorrendo no meu cuzinho.

Resolvi entrar pela cozinha, e ver se conseguia espiar um pouco, quando chego perto da sala começo a perceber que havia mais do papai e mamãe na sala, pois ouço outra frase confusa, “ESTÁ GOSTANDO DE VER A SUA ESPOSA SENDO FODIDA, MARCOS?”, sim, era outro homem, pois papai se chamava Marcos, e com certeza eles deveriam estar realizando uma sessão de swing, sempre li algo através da net, mas meus pais serem adeptos de swing era demais para mim, sai nas pontas do pé e fui até a casa de uma amiga.

Demorou um pouco para me aceitar e entender tudo, enquanto isso me tornei amiga dela, passei a frequentar a casa dela e praticamente fazer parte da família, mas por ela ser um pouco rude e máscula, tinha medo de contar sobre meus sentimentos e ela me rejeitar, então conformei-me com apenas sua amizade, apesar de muitas vezes ter percebido pistas de uma certa correspondência de sentimentos, mas o medo era maior.

Nunca havíamos gozando tanto e tão gostoso como naquela praia afrodisíaca e com a ajuda do nosso amiguinho, Toni.

Eu queria comer ele, mas não podia… Dominado pelo tesão, enfiei minha mão dentro da cueca dele e apalpei sua bunda. – ele olhou no fundo de meus olhos. O oficial ficou em pé na minha frente e segurou meus cabelos com violência e puxou meu rosto de encontro ao seu pau sob cueca, eu senti um cheiro de mijo e de saco de macho que me repugnaram o estômago, mas ele esfregava o pau no meu rosto com força, me sufocando.