Porno amador novinha piranha tocando siririca com seu macho de sorte da boazuda – rj

369 visualizações

49 seg

Categoria:

Tag: ,

369 visualizações

49 seg

Categoria:

Tag: ,

Porno amador novinha piranha tocando siririca com seu macho de sorte da boazuda – rj

Porno amador novinha piranha tocando siririca com seu macho de sorte da boazuda – rj

Ele queria que fizesse um filme erótico amador, onde ele seria o diretor e câmera, e eu seria sua atriz principal. PRECISO DIZER QUE MADÁ É UMA MORENAÇA LINDA E PRA LÁ DE BOAZUDA, COM QUEM DE VEZ EM QUANDO FAÇO UNS PROGRAMINHAS MAIS ARROJADOS. Com aquela mão macia e delicada alisando as minhas coxas e tocando na minha boceta o meu tesão foi aumentando, eu já tinha me esquecido que ele era o meu cunhado e não via a hora de chegar ao entrarmos no quarto do motel, meu cunhado já estava de pau duro, ele me agarrou e me encostou na parede, começou a beijar a minha boca e levantou a minha saia, alisou as minhas coxas e meteu sua mão dentro da minha calcinha, enfiou o dedo na minha bucetinha e começou a movimentar o dedo dentro dela, ai ele abriu a minha blusa e começou a chupar os meus seios feito um bezerro desmamado, eu comecei a massagear o seu pau e percebi o quanto que estava duro, ele queria me comer de qualquer jeito, então resolvi ajudar aquele garoto, que não conhecia e não tinha experiência na matéria de sexo, eu provoquei-o de todas as maneiras. Eu estava completamente entregue aquele macho e ele me acariciando sem parar. Na minha última viagem a São Paulo, depois de uma noite solitária, acordei com muito tesão e decidi tirar o atraso e dar uma aliviada num cine pornô da Av.

Marcos olhava de longe para as duas garotas e mal-acreditava na sua sorte. Você irá adorar a voz dessa novinha contando este conto no seu ouvido.

A lembrança daquelas cenas estavam bem frescas na minha memória e não pude fazer outra coisa a não ser tocar uma deliciosa siririca. Eu percebia que elas tinham medo de serem rotuladas, e minha mãe me confirmou isso quando se explicava tentando se justificar, dizendo que não era uma piranha que dava pra qualquer um, que tinha desejos, e que via na gente uma forma saudável de realizar suas fantasias sem se arriscar, já que meu pai não topava nenhuma aventura.