Vazo Na Net Gordinha Gostosa De 32 Anos Dando Dando Para Amigo Carioca De Jardins – Sp

10 min

Categoria:

Tag: ,

visualizações

10 min

Categoria:

Tag: ,

Vazo Na Net Gordinha Gostosa De 32 Anos Dando Dando Para Amigo Carioca De Jardins – Sp

Vazo Na Net Gordinha Gostosa De 32 Anos Dando Dando Para Amigo Carioca De Jardins – Sp

Quando ela entrou no carro aproveitei o gancho:-Sua malandrinha…já arrumou namorado em Curitiba heimmm?Ela riu:-Que é isso tio, é só paquerinha que não dá em nada…Continuei a conversa aproveitando para perguntar se tinha manorado fixo, se gostava de namorar; Ela disse que adora namorar e se apaixonar, já teve muitos namorados mas no momento está solteira; Eu já estava no rumo do motel, então forçei a barra:-Mas Flavinha, estou curioso…conta aí para seu tio…você ainda é virgem?Ela ficou vermelha e com um sorriso tímido me surpreendeu:-Seu safadinho! Você acha que uma menina com meu corpo chega aos 19 anos virgem hoje em dia?Respondi já colocando minha mão em sua coxa esquerda:Claro que não, sei que um mulherão como você deve poder escolher com quem vai para a cama, não devem faltar pretendentes…você já esteve com homens mais velhos?Sem demonstrar mais timidez e com um sorriso safado no rosto ela responde:-Tipo assim…como você tio? Que tal parar de me comer com os olhos e fazer alguma coisa?Na hora parei o carro em um lugar seguro, soltei meu cinto e agarrei ela dando um beijo bem safado enquanto enfiava uma mão na blusa dela.

Claro que concordei, quem aguenta ficar longe dele?""Ola, sou a babivadia, e hj vou contar uma coisa q me aconteceu a pouco tempoEu sou morena, e bem gostosa, e tmb lesbica, uma vez, eu e uma amiga minha (n vou mencionar seu nome) combinamos de ir em um motel (tmb eramos ‘amantes’) ela e loira, e tem a pele bronzeada, tmb muito gostosa. Então, pra que empregados?Depois de guardarmos tudo na cozinha, ela me mostrou a casa, os jardins, a piscina, quadra de tênis,um pomar. 65,branca, com seios fartos…Eu estou no último ano do ensino médio,e tenho uma professora linda de Química,negra com traços indígenas, cabelos lisos até os ombros, olhos castanhos, boca carnuda, gordinha porém maravilhosa.

"Bom sou novo aqui então vamos a apresentação, me chamo Viktor,21anos,carioca,moreno(pele clara),careca,pênis de 17cm(nada grande,mas na medida pra dar prazer a muitas mulheres). Galera, esse é meu primeiro conto e não sei se fiz direito! Eu sei que meu conto ficou um pouco longo, mas eu realmente espero que vocês tenham gostado! Não percam a parte 2!"olá, meu nome é Pa,ulo, já publiquei dois contos (reais) aqui neste site, e resolvi publicar outro… apás terminar o namoro com minha namorada e o tio dela, carlão, fiquei sem ter relaçao com outro homem uns 2 anos, até que um dia um amigo meu me convidou pra visitar a casa dele que estava em obras para dar uma olhada, acabei me atrasando e ao chegar lá o pedreiro luiz disse que ele já havia ido embora mas que eu podia dar uma olhada na obra mesmo assim, achei legal, e na hora nao pensei em nada com aquele homem, negro (tenho sorte com negros, que maravilha) 1,80m mais ou menos, ele mesmo foi me mostrando a construçao sá de bermuda todo suado, ai sim comecei pensar besteira… mas como havia um outro pedreiro o marcio (este nao era negro, era muito negro, um afro descendente puro e um pouco mais auto que luiz), entao nao dei bandeira e me controlei pra nao mostar minha excitação, no entanto o ao chegar no quarto de casal começamos a converçar, e o luiz começou a falar…” é aqui que o patrao vai comer aquela gostoza da patroinha… falei… é verdade, e começamos a falar sobre sacanagem, até que ele disse aquela celebre frase… mas o bom mesmo é comer um cuzinho apertadinho… nisso notei o volume dele e disse… mas duvido que alguem aguente teu cacete…, ele falou… é verdade , até hoge sá uma mulher aguentou, mas chegou a chorar , e também um viadinho, mas ele quase pediu agua, e o do meu primo o marcio é maior que o meu…falei …. Ele não mais segurou e gozou, inundando sua buceta com sua porra densa e quente, quando ela amoleceu, deixando o corpo cair sobre a mesa, ainda toda arrepiada.